Há algumas temporadas a internet tem se tornado um lugar hostil. À força, plantou-se uma discórdia que desfila em stilettos, ou melhor, flatforms. Há quem diga que existem donos da verdade, há quem diga que quem ditou a moda não perderá o seu lugar. E há aqueles, que assim como a minha pessoa, acreditam piamente que existe lugar para todos aqueles que querem se comunicar.

“As blogueiras tomaram o lugar das jornalistas e lotam a primeira fila dos desfiles de moda” ou “blogueiras não tem cultura de moda” Manchetes e frases como estas acima pipocaram em diversos sites, revistas, blogs, vlogs, e tudo o que é um meio de comunicação inventado pelo homem. Não cabe a mim falar que fulano ou ciclano está certo, mas preciso colocar em pauta que todo esse questionamento do valor que é pago pela informação, e mais ainda, quando este toca na ferida da elitização da moda.

Antes de tudo, precisamos entender que há lugar tanto para a mídia online gratuita quanto para a mídia online paga. Um leitor assíduo de blogs não necessariamente vai ser o leitor de uma revista de moda, seja ela lida através do tablet ou em papel. São dois tipos de informação diferentes. Enquanto uma magazine tem um tempo maior para trabalhar e digerir os conceitos das coleções e suas influências para as próximas estações, os blogs anunciam o agora, mostram o que acabou de acontecer, sem a profundidade que exige uma revista. Basta ver no tamanho dos textos, a material principal de uma revista deve conter umas 5 páginas de textos, entrevista e ilustração , enquanto uma post mais denso de um blog tem em média uma página de texto com muitas fotos para ilustrar. Falando em “marketês” são também dois posicionamentos e públicos-alvo completamente distintos.

blogsxrevistas-de-moda (1)

Passamos então para o ponto de refletir o que é “cultura de moda”. Partindo do princípio que moda é uma expressão cultural e um discurso histórico, ela jamais deveria ser limitada a alta costura e ao prêt a porter desfilados nos salões internacionais. Ninguém tem posse dessa tal cultura de moda. O que existem são culturas da moda. A moda das fast fashions, dos looks do dia é uma cultura da moda, assim como é o histórico da alta costura e assim como são os saltos altos de acrílico e barriga de fora que lotam os bailes funks.

Aí vem a questão da história social da moda, ela influencia na maneira como percebemos as mudanças comportamentais afetadas por esse sistema industrial e econômico que é a moda. Ela é importante, sim, bastante. Esse olhar para trás, quando crítico, é o que garante as melhores análises sobre o comportamento de compra e sobre os desejos das coleções que ainda estão para serem lançadas. Mas definitivamente também não é o diploma de um “conhecedor da moda”. A compra de itens de luxo, a análise e prospecção de tendências, o coolhunting, tudo isso não é realidade para a maioria das pessoas que consome moda. 

A elitização da cultura de moda existe, como há a elitização da própria cultura em si, como há a elitização da arte. É exatamente isso que ocorre quando criticam os blogs por não conterem cultura de moda o suficiente. Quando, na verdade, o grande feito dos blogs foi levar a nós, pessoas comuns, uma moda digerida, mais acessível e adaptável. “Ah mas existem várias blogueiras que não sabem escrever direito e são extremamente fúteis”, claro que existem, um monte delas, mas posso afirmar com toda clareza que isso acontece na mesma proporção com os jornalistas de moda (e de outros segmentos).Mas existem profissionais competentes de ambos os lados, inúmeros deles, que devem se respeitar para que essa indústria sobreviva e para que a criatividade tenha sempre voz.

||||| 38 amei! |||||

Sobre o autor

Carioca, 20 anos, publicitaria em formação, nascida com um pé na moda e no chão de fábrica. Apaixonada por arte urbana e por tudo que é colorido, louca do instagram. Virginiana com ascende em libra, crítica e sensível. Acha que moda é o que a gente faz todo dia quando acorda.

  • Nati Rios

    Concordo com o post plenamente.

    Existe espaço para todos, é preciso apenas ter o bom senso e saber que o que as vezes é bom pra você não é pra mim!
    Cada um tem o seu espaço e acho que todos podem se ajudar dentro de cada ramo.

    Beijooos
    @natirios_blogidfashion
    @blog_idfashion
    https://blogidfashion.wordpress.com/

    • http://modices.com.br/ Carla Lemos

      Sim sim sim, Nati linda <3

  • http://simsemfrescura.blogspot.com.br/ Paola Alves

    Amei a reflexão! Acho que as demais mídias estão se sentindo ameaçadas por essa “nova” palaforma que são os blogs.. que mania temos de categorizar tudo né? http://simsemfrescura.blogspot.com.br/

    • http://modices.com.br/ Carla Lemos

      Exatamente. Sempre disputa e competição, no lugar de incentivo e compartilhamento. A galere precisa mudar o modo de pensar, com mais positividade e abundância.

  • Nick Benevides

    Esse texto tá incrível. Acho que a internet é um lugar tão maravilhoso para conhecer, e espalhar ideias e as pessoas fazem questão de transformar isso em um ambiente hostil. Acho que esse padrão de moda ser apenas “alta costura” já devia ter sido ultrapassado, pois o acessível e barato também pode ser chic, e é isso que torna os pequenos blogs sobre moda tão legais e originais, porque estão repletos de personalidade e acessibilidade. Aproposito, adorei o texto!

    http://www.leitecombiscoitos.com/