Comportamento

O corpo feminino não deve ser assunto público

9 de outubro de 2014

Comentários

  • Lívia Cunha

    eii, melyssi. infelizmente, eu nem me choco mais quando vejo as pessoas vomitando merda nos comentários das redes sociais dada a frequência. mas acho super importante a gente continuar falando que ‘meu corpo é meu e guarde sua opinião pra você’ e fazendo posts como o seu. porque ajuda a construir autoestima em quem lê e a se importar menos com o que os outros vão dizer/pensar. ontem eu vi uma frase boa (triste mas real) que tem tudo a ver com esse tempo: ‘they tell you to be yourself and then they judge you’. ainda temos um longo caminho a percorrer. um beijo!

    • que frase! Aliás, que fase. Mas é isso, babe, a gente tem que falar cada vez sobre o assunto, a gente tem que cada vez mais falar de amor pra sufocar o ódio dessas pessoas <3

    • Ain Lívia, essa frase diz tudo!
      Eu mesma ainda estou nessa de construir e fortalecer minha autoestima, sabe. Mas já sei que minha briga é com a minha cabeça, e não com a dos outros.
      O que é importante de lembrar é que todo o mundo quer ser feliz e evitar o sofrimento. Então vai procurar isso pra sua vida e não vai empatar ou azedar a do outro. Dá até menos trabalho viver sem se preocupar com isso do que ir lá e deixar seu comentário negativo, né.
      Beijão!

  • Passei por isso esses dias. Meu IG foi bombardeado de comentários absurdos. Acho tão estranho essa coisa de criticar o corpo alheio, é tipo… meu corpo te incomoda minha filha?
    As pessoas perderam o respeito no mundo virtual. Acham que podem falar o que bem pensam.

    • Essa falta de respeito absurda é muio triste e preocupante.
      Mas as melhor resposta é ser o mais incrível que você pode ser e se mostrar acima desses comentários desnecessários ;)
      Beijos!

  • Carol Costa

    Esse é o lado ruim das redes sociais. Nesses espaços as pessoas se sentem donas da verdade, se sentem imunes a qualquer punição, e por isso saem escrevendo um monte de abobrinha que não diriam cara a cara com alguém. O pior é ver mulheres reproduzindo essas falas grosseiras e desrespeitosas contra outras mulheres e reforçando esses padrões de beleza absurdos. Acorda mulherada!
    http://dibobis.blogspot.com.br/

  • Larissa

    Concordo super com a questao de imagem e o impacto q pode ter no psicologico de alguem. Alias, as pessoas sao tao crueis q esquecem q aquela ali na foto tb eh humana, sofre, tem uma vida. So q tb acho q a partir do momento q vc se expoe, q escolhe ser conhecido, tb tem q estar preparado psicologicamente pra ouvir de td. A internet eh aberta, bem como as redes sociais… Se expoe quem quer. E aguente as consequencias dps. Felizmente ou infelizmente.

    • Oi Larissa!
      Mas se ‘expor’ não significa que tem que aceitar ser desrespeitado, né.
      A internet é aberta, mas os princípios básicos de relações humanas respeitosas continuam os mesmos.
      Beijos,

  • Amanda

    Achei o post todo super interessante, longe de mim julgar ou estar aqui para fazer chafurdo. Mas penso que logo no começo do post você pecou ao usar a palavra “normais”, afinal o post todo preza exatamente o contrário. Só achei interessante rever essa pequena parte, pois isso ajuda a disseminar uma ideia distorcida, afinal a gostosa ou a gordinha não são normais? Novamente parabenizo meeesmo pelo post, e pela iniciativa que vários blogs vem tomando com relação a este assunto!

    • Oi Amanda!
      Ah que bom que você chamou atenção para esse ponto!
      Coloquei o ‘normais’ lá pensando nas meninas que não são nem magrinhas, nem gordinhas e nem gostosas. Mas você tem toda razão, todas são normais! haha
      Tirei essa parte lá do post pq concordo mesmo com você.
      Beijos!

  • CLARISSA

    Que post lindo!!!!!! Adorei!
    Realmente, essa situação toda com a Bruna foi bem chata, acompanhei no FB e tudo… é por causa dessa sociedade doente que mtas meninas acabam criando complexos, ficando doentes e em alguns casos, perdendo suas vidas. Seu post serve de alerta para as mais novinhas (e tbm pras não tão novinhas assim, como eu).

    Bjs,

  • Carol Tavares

    Eu A-DO-REI, bom, não sou gordinha, nem gostosa, mas sou magra, e sim, as pessoas elogiam, só que muita gente (a maioria) fala mal do meu corpo. só quer me botar pra baixo. Eu adoro ser magra, amo gordinhas, e mulheres com um corpo super “gostoso”, tenho amigas de todos tipos, só que ser magra ultimamente parece que não é uma coisa legal, sim eu entendo o fato de que todo mundo sofre com seu corpo. Mas não entendo porque me chingam e zombam tanto a minha aparência. Esse é meu biotipo, não sei se é assim que escreve. Já tentei muitas vezes engordar, fazer musculação e coisa e tal, mas se meu corpo é assim eu não posso fazer nada. Digo e repito que amo meu corpo, só que muita gente (com inveja ou não) tenta me botar pra baixo. E se eu fosse escolher o que eu queria ser, escolheria ser magra, amor próprio é tudo. Eu entendo perfeitamente a opinião de quem tem um corpo malhado, ou é gordinho, não olho com os meus olhos, e sim de outro ângulo, posso sentir a dor que as meninas passam ao serem chamadas com nomes feios por serem cheinhas, ou por serem mais gostosas, sou uma pessoa que compreende as outras pessoas, independente do meu biotipo. E quando eu disse que se eu fosse escolher o que seria (magra) eu não disse afrontando e sim expressando o quanto eu me amo, apesar das pessoas me botarem tão pra baixo.
    Eu simplesmente adorei o post. Não leve a mal meu comentário, as vzs não sei explicar mto bem kk

  • ADOREI o texto e penso exatamente assim! Fico indiguinada em como as pessoas tem dificuldade de aceitar que as opniões delas podem ser diferentes das opniões dos outros! Você acha que ser magra é essencial, mas outra pessoa pode achar diferente disso e é ai que começa a história toda. Cuidar do próprio nariz é tão dificil assim? Aceitar as diferenças não rola? Por isso ainda temos tantos problemas com pré conceito sabe? Fico triste de verdade. O que me consola é saber que há muitas pessoas lutando pra melhorar isso! <3 http://simsemfrescura.blogspot.com.br/

  • Isabele Farias

    Eu lembro constantemente, principalmente depois que comecei a me engajar nas lutas feministas, de todas as vezes que sofri pelo meu corpo não condizer com as modelos da revista ou as mulatas do carnaval. Eu sempre fui magrinha, nunca fui satisfeita com isso até pouco tempo. A gente cria uma ideia errada sobre esse padrão sabe? Por que a realidade é que ele não existe.
    Fala sério, quantas mulheres de revista você vê andando pela rua? No ônibus, voltando pra casa?
    Quantas “Barbies” você encontra no supermercado, na universidade, no restaurante chinês da esquina?
    Essa asneira toda no fim das contas só traz transtorno alimentar -experiência própria-, frustração e pior: infelicidade.
    Eu espero que a gente possa cada vez mais ligar menos pra isso.

    tofalandoisa.blogspot.com.br

    • Sim, é um padrão que não existe em canto nenhum, só nas telas do photoshop mesmo.
      Mas o que a gente tem que fazer é se voltar contra isso até que todos percebam o quanto colocar padrões e tanta atenção no corpo alheio é ruim.
      Beijo, Isabele!

  • Gurias Gata

    Acredito que a pessoa precisa estar bem consigo mesma…nada de querer pra si o corpo que os outros acham bonito, afinal cada um tem seu biotipo…o que é bom pra mim pra você pode não ser…
    Em muito momentos da vida a pessoas precisa apenas de um sorriso e palavras amigas nada de ficar criticando o corpo de alguém, não sabemos o que se passa na mente de cada um..
    Cada pessoa precisa cuidar do seu próprio corpo assim não sobra tempo de ficar criticando os outros.
    Beijos.
    Gurias Gata