Viajando fora da caixinha: Roteiro Alternativo em Londres

roteiro-alternativo-londres

Que tal um roteiro alternativo em Londres?

O leste londrino viveu um boom nos últimos anos, virou uma incubadora de gente e negócios criativos e provou que nem só de Oxford Circus e Big Ben vive Londres. Ao mesmo tempo, os clássicos que todos amam continuaram se reinventando e ficaram ainda melhor. Não é a toa, a capital inglesa ganhou o primeiro lugar na pesquisa de cidade mais popular do mundo desse ano. A verdade é que Londres encanta sempre com seu mix de história, etnias, culinárias e estilo, muito estilo, como a gente bem sabe.

Em abril, depois de três longos e tenebrosos anos, voltei pra uma curta visita de duas semanas e, como esperado, foi tudo incrível. Agora, fiz uma pequena seleção de lugares que fogem dos roteiros tradicionais, que vão do leste ao oeste da cidade e mesclam novidades e velhos conhecidos. Caderno, caneta e guia de viagem a postos? Vamos ao nosso roteiro alternativo em Londres!

A comida francesa do The Bonneville

boneville

Sabe aqueles lugares maravilhosos que você não para de falar o dia inteiro depois que descobre? Essa foi minha reação ao The Bonneville, um típico gastropub de Londres que fica em Lower Clapton, um sub-bairro pouco conhecido de Hackney. Só o visual do lugar já vale a visita: velas, cortinas de veludo vermelho e paredes escuras compõem a decoração gótica, meio macabra, numa vibe O Homem da Máscara de Ferro meets Penny Dreadful. O banheiro, na parte de baixo, imita uma cela de prisão e tem até uma fumaça cenográfica pra te fazer entrar no clima. Nunca vi tanta gente se divertindo tanto só por ir ao banheiro! E a comida? Ah, a comida… Provei o risoto de beterraba e o assado com vegetais na manteiga e não sei dizer o que estava mais maravilhoso. Como se tudo isso não bastasse os drinks são di-vi-nos e o dono do bar, Rory, até ensina como prepará-los no canal do youtube do bar.

Rio Cinema

rio-cinema-londres

Sabe uma coisa que eu adoro fazer quando viajo? Ir ao cinema. E bem na rua em que me hospedei dessa vez, em Dalston, fica o Rio Cinema, um cinema independente lindo, construído no estilo Art Deco, com uma história bem interessante que começa lá em 1909. Não espere Os Vingadores ou algo do tipo: a seleção é bem variada, mas com muitos filmes indies, fora do circuito mainstream, documentários e clássicos. O legal é que sempre tem algum evento diferente acontecendo lá, desde bate-papo com diretores até matinês para crianças. Amei!

A Vista do One New Change

One-New-Change-City-of-London-St-Pauls-Cathedral

O One New Change é um shopping pequeno, todo espelhado, que fica bem do lado da catedral de St. Paul. Além de lojas como H&M, o que muita gente não sabe é que ele também abriga o Roof Terrace, um terraço com uma vista incrível da cidade, totalmente de graça. Você fica tão perto da cúpula de St. Paul que quase dá pra tocar nela! E se por acaso rolar uma vontade de aproveitar a vista tomando bons drinks, não se desespere: o terraço tem seu próprio bar, o Madison’s, que bom-ba no Happy Hour londrino – que começa tipo, cinco da tarde, junto da hora do chá! Agora você já sabe aonde ir se não sobrar grana pra London Eye!

As comidinhas e as lojas do Broadway Market

Broadway-Market

Londres tem feiras de rua incríveis e super conhecidas mundo afora, como a de Portobello (aquela de Um Lugar Chamado Notting Hill) e Brick Lane, mas existem centenas de outras espalhadas pela cidade, como o Broadway Market, que são bem mais vazias mesmo em finais de semana e tão divertidas quanto. Para chegar lá, a dica é descer na estação de Haggerston e seguir o Regent’s Canal até chegar na feira – o trajeto fofo do canal é um passeio por si só e lembra Amsterdam com as casas-barco. Além das delícias gastronômicas da feira, que tem muitas frutas frescas e pães e doces artesanais, aproveite pra conhecer as lojinhas independentes da rua, como a Artword, que vende livros de arte, culinária e edições especiais.

@BOXPARK

BOXPARK

É só começar o verão, temporada oficial de eventos na cidade, que brotam milhares de lojas, bares e restaurantes pop-ups em Londres. O @BOXPARK, que literalmente tem o formato de uma enorme caixa de metal, é um shopping pop-up, montado em Shoreditch, coladinho na estação de overground e a alguns passos da feira de Brick Lane e do Old Spitafields Market. São várias lojas moderninhas – muitas independentes! – de moda e decoração, inclusive a única loja da Smashbox no Reino Unido – uni-vos, loucas do make! Na parte de cima, fica a “praça de alimentação” a la verão europeu, aberta e cheia de cadeiras de praia e espreguiçadeiras, onde a galera senta enquanto devora fatias de pizza do Voodoo Ray.

Curry & Falafel <3

falafel

Sabia que mais da metade da população de Londres é composta de imigrantes, principalmente asiáticos? Não é a toa que o cenário gastronômico da cidade é super eclético e na mesma rua você consegue achar kebabs, curry’s e falafels, principalmente nos bairros do leste londrino, onde se concentram as comunidades de imigrantes. Bom pra gente, já que essas culinárias são deliciosas e normalmente bem baratinhas.
Então anota as dicas: Pertinho da estação de Whitechapel, fica o Zaza’s, um dos melhores restaurantes indianos que já fui. A comida, além de vir em porções enormes, é super em conta. Por isso, o ideal é ir com um grupo bem grande e pedir vários pratos diferentes para dividir e comer até não aguentar mais. O naan, tradicional pão indiano, não pode faltar, e o da casa é delicioso. Para os vegetarianos, o menu é super rico em opções sem carne.
Se curry e companhia não são a sua praia, tente o Mangal: com três filiais em Dalston, o restaurante de origem turca tem várias opções divinas e baratinhas. Por 5 libras você almoça o melhor falafel da sua vida e ainda sobra bastante pra um lanchinho da tarde. Até o Jamie Oliver frequenta, tá bom pra você?

National Portrait Gallery

national-portrait-gallery

Londres tem muitas galerias e museus famosos e que são indispensáveis em uma visita, como o British Museum e o Tate Modern. Mas se sobrar um tempinho, vale a pena conhecer outros museus menores e não tão conhecidos, como o National Portrait. No coração de Trafalgar Square, bem do lado da National Gallery, sua irmã mais velha (que acaba chamando toda a atenção), fica esse museu cujo foco, como o nome já diz, são os retratos. Cada andar é dividido por séculos, que vão lá da era dos primórdios da Inglaterra medieval até os dias de hoje. Ou seja, no mesmo museu você encontra Ana Bolena, a infame rainha inglesa e Kate Moss – amamos! Precisa de mais motivos? Se você estiver em Londres entre 02/07 e 18/10, é lá que vai rolar uma exposição que prometer ser incrível chamada Audrey Hepburn – Portraits of an Icon, com fotos lindas e inéditas da atriz de Bonequinha de Luxo, ícone de beleza, estilo e trabalho humanitário.

||||| 3 amei! |||||

Colab.Modices: As tendências que não conseguimos usar

topo-post-colab-blogo

Quem nunca viu uma tendência linda em um blog ou abriu uma revista e se apaixonou de cara por uma nova moda, se empolgou, comprou e… Nunca usou? A experiência frustrante é bem mais comum do que a gente imagina e, por isso, lançamos lá no grupo do Modices no Facebook (clica aqui para fazer parte) a discussão. Aqui está o resultado do que conversamos por lá e o tanto de tendências que são lindas no papel, mas não funcionaram para um monte de gente.

Quimono


Quimonos foram citados algumas vezes como algo que compramos e não conseguimos usar. A Nina (editora aqui do Modices) disse que simplesmente não conseguiu usar, assim como a Gabriela Santos que, apesar de achar lindo nos outros, disse que não é pra ela. Para a Yasmine Holanda Fiorini, as franjas incomodam e prendem em qualquer lugar e para a Jaqueline Mendes as franjas também são um problema. A Laís Castro falou: “Implorei meses pra minha mãe fazer um pra mim, porque já não achava um que combinava comigo até que ela fez e adivinha? Não me caiu bem.”

Chapéu


Esse foi quase unanimidade em termos de tendência que morreu no armário. A Laís Lima comprou um lindo de feltro, usou no lollapalooza e nunca mais, a Nathalia Tosto também. A Thais Marques comprou o modelo coco, dizia que ia usar, colocava no look, mas antes de sair de casa desistia dele! A Caroline Serra comprou um do estilo floppy e nunca acha um dia para usar. Ainda no bonde das não usuárias de chapéu estão a Vanessa Santiago, a Priscilla Furtado, Laura Lima, Bruna Martins e Camila Revelles Feres. Ô tendencinha…

Colete de Pelos


A Aryane Gouvea disse que seu colete de pelos é bonito mas não funciona muito quando o frio é de 7º. A Inglith Monteiro também não consegue usar, mas é pelo motivo contrário, o frio de 20º não é suficiente. A Camila Revelles Feres comprou dois numa liqui e estão com etiqueta até hoje porque ela se sente muito perua com eles.

Calça Flare


A Natália Gerhard e a Aryane têm o mesmo problema: só conseguem usar a flare com salto e para ambas falta paciência para usar sapatos de salto. Ou seja, assim como a Débora Venceslau, nunca conseguem usar e acabam trocando sempre por outro look.

Sapato Oxford


A Gabi Cabral e a Karen Bruno acham o oxford lindo e adoram looks com ele, mas sempre tentam calçar e usar, mas acabam preferindo outra coisa! Já a Gleide tem problema com oxford por ter comprado um super específico (marrom de bico fino) e simplesmente não consegue sair de casa com ele.

divisoria-bolinhas

E ainda teve muita tendência citada no nosso post querido (e você pode conferir mais da discussão lá no grupo) que vale mencionar:
Casaco-capa (Jéssica Severo), franjas (Marcelle Pelajo e Raissa Santos), estampa de azulejos (Carina Pedro e Karina Belarmino), suéter universitário (Matheus Dias), jeans color (Daniel Kalleb), birkenstock (Lia Camargo), color blocking (Larissa Nascimento), look all white (Fernanda Harumi), saia longa branca (Natália Costa), saia longa com fenda (Camila Almeida), calça preta e branca (Bárbara Medeiros), sneaker (Bruna Martins), saia midi (Giseli Alcantara), calça cullote (Carla Lemos <3), body (Fernanda Gonçalves), galocha vermelha (Mariana Tomazelli).

||||| 14 amei! |||||

DIY: Tênis Metalizado

Lembro como se fosse hoje de um post da Carla sobre o Pinterest. Já usava a rede social há um bom tempo e não tinha me dado conta da riqueza de inspiração contida nas centenas de pins que pipocavam no mural. Descobri um mundo todo novo de possibilidades e desde então me rendi aos projetos DIY’s, que vão das ideias de decoração a receitas fofas, facilidades para o dia a dia, customização de roupas, sapatos, acessórios e muito mais.
Postei parte dos projetos no meu Instagram e, para minha surpresa, recebi um convite da Carla para compartilhar aqui algumas ideias inspiradas no seu painel.
Esse é meu primeiro post. Espero que você goste da transformação de um tênis preto em um novo tênis metalizado puro amor!

diy-tenis-metalizado-1

Você vai precisar de:

 Um tênis de tecido;
 Tintas de tecido (usei a preta metalizada, magenta e rosa glitter, todas da Acrilex. Você acha fácil em qualquer lojinha de artesanato)
 Pincel;
 Um molde de boquinha;
 Tesoura;
 Um pequeno pedaço de contact;
 Um lápis;

E de bônus um tantinho de paciência (mas eu juro que o resultado vale a pena!)

diy-tenis-metalizado-2

E o que eu faço agora?

- Primeiro, certifique-se de que seu tênis está limpinho. Em seguida aplique a tinta preta metalizada em toda sua extensão.
- Deixe secar por três horas e depois confira se nenhum pedacinho deixou de receber a tinta.

dit-tenis-metalizado-passo-a-passo
- Use o molde de boquinha para contornar no papel contact e, com a tesoura, corte de modo que fique vazado.
- Cole sobre a parte da frente do tênis e pinte dentro do espaço vazado, primeiro usando a tinta magenta. Retire com cuidado o contact e espere secar um pouco. Depois, aplique a tinta rosa glitter sobre todo o desenho da boquinha.

diy-tenis-metalizado-3
- Espere mais três horas até secar por completo.

diy-tenis-metalizado-resultado

E, por fim, vá espalhar brilho por aí e bater perna com seu novo tênis metalizado. <3

||||| 9 amei! |||||

Marcas Independentes: O que comprar nesse fim de semana

Não é sempre que a cidade ferve com eventos de marcas independentes de moda como vai acontecer nesse fim de semana. Por isso, preparamos aqui um mini guia com o que você não pode deixar de conferir nos três eventos desses dias 27 e 28!

marcas-independentes

Folk Boots

A Folk Boots é uma marca carioca de botinhas (incríveis), 100% artesanais e únicas! Produzidas de forma sustentável através da reutilização de sobras de estofados, as botas são criadas de acordo com o material disponível e, por isso, você nunca verá reposição de estampas. De quebra, o preço é ótimo!

Elo Acessórios

A Elo Acessórios é uma marca querida e a gente adora a forma como eles se posicionam: não são bijuterias, são atualizadores de look! E olha, são mesmo. As peças, moderninhas e poderosíssimas, são todas feitas à mão e em tiragem limitada.

A Folk e a Elo vão estar no O Mercado – Estilistas Independentes dias 27 e 28 de junho, de 14 às 21h na Sede do Fluminense (Rua Álvaro Chaves, 41 – Laranjeiras, Rio de Janeiro - Entrada gratuita). O Mercado tem uma curadoria maravilhosa e traz pra essa edição, chamada de Festival de Inverno, produtos inspirados no friozinho – incluindo vinhos e comes deliciosos.

Mesclado

A Mesclado é dessas marcas que já se tornou um clássico no Rio. As camisetas são lindas, mas acima de tudo têm uma filosofia única: a da roupa como plataforma de expressão artística. As estampas são peças de arte disponibilizada por diversos artistas independentes (designers, fotógrafos, artistas plásticos, ilustradores…) que recebem uma porcentagem de venda. Somos apaixonadas!

Ateliê Jasmin Manga

O que o Ateliê Jasmin Manga tem de improvável, tem de maravilhoso. Um casal (apaixonado, fofo) que cria peças únicas ilustradas, coloridíssimas e muito cool tendo como base discos, paredes, pedras portuguesas (!!!) e ainda cadernos lindos. Tudo é feito a quatro mãos pelo casal!

As duas marcas estarão na Babilônia Feira Hype que dessa vez acontece (junto com o Rio Food Parque!) 27 e 28 de junho, no Link Mall (Barra da Tijuca), de 14h às 22h.

Benta Studio

A Benta Studio é feita especialmente para as viciadas em estampas (o/ o/). Três mulheres lindas criam produtos descomplicados e muito originais. As estampas são totalmente apaixonantes!

Suia

A Suia tem como norte a “elegância descontraída”, o equilíbrio entre o clássico e o moderno. A combinação resulta em peças super especiais com um quê de arte.

As duas estarão n’O Cluster (a gente já falou tudinho sobre O Cluster nesse post aqui -clica pra ver-, mas vale repetir: dias 27 e 28, claro, de 13h às 21h na Estrada das Canoas, 1580). Aliás, clica no link para ver as escolhas que a Carla fez das duas marcas.

divisoria-bolinhas

Fica aqui um super incentivo nosso para você pegar as amigas, combinar um transporte e ir fazer um circuitão de compras responsáveis nesse fim de semana. Assim fica uma delícia, não acham?

||||| 6 amei! |||||